Todo o conteúdo desta página é gerado por usuários reais do portal e não por médicos ou especialistas.

Cirurgia íntima: o sonho que virou pesadelo

Tratamento realizado Não vale a pena
Morgana3s
Membro destacado
Salvador (Bahia) · Criação: 26 ago 2017 · Atualização: 14 nov 2020
História

Algum tempo comentei num post de uma menina (Marlene88), que tinha um problema parecido com o meu, o quanto estava esperançosa, com a possibilidade de fazer uma cirurgia para corrigir meu problema. Infelizmente, meu sonho virou pesadelo. Então já vou começar com um conselho; só faça uma cirurgia depois de comprovar que o médico tem experiências e de comprovar os resultados de outras pessoas. As vezes o barato sai caro. Eu tenho 38 anos e sofria de hipertrofia dos pequeno lábios e clitóris, e isso sempre me incomodou muito ao ponto de afetar minha vida sexual. No início eu só tinha vergonha e só me relacionava no escuro, com o tempo foi piorando e eu acabei por não consegui mais investir em relacionamentos novos e consequentemente fiquei sem namorar por 13 anos. Venho a muito tempo pesquisando sobre a cirurgia, fui lendo experiências de muitas mulheres e criei coragem para fazer minha sonhada cirurgia. Deu um pouco de trabalho encontrar um médico especializado porque meu maior problema era o clitóris e eu só achava quem fizesse redução do prepúcio e não do clitóris. Até que encontrei um médico do Rio de Janeiro que faz. Me preparei, tomei dinheiro emprestado e marquei minha férias. Só que eu também precisava fazer uma cirurgia no Túnel de Tarso e já vinha correndo atrás pelo SUS há 3 anos, até que no mês de junho eu consegui. Na primeira consulta eu falei para o médico que estava tendo um infecção urinaria recorrente e que achava que eu tinha prolapso genital (bexiga baixa) ele quis me examinar e eu disse que não porque tinha vergonha de minha vagina e expliquei porque e que já estava acertando para fazer a cirurgia. Então ele me disse que faria, mas eu me recusei porque queria fazer com especialista. Na segunda consulta ele insistiu mais uma vez para me examinar e eu acabei deixando e ele constatou que eu tinha mesmo prolapso vaginal, mas me disse que só faria a cirurgia se eu deixasse ele fazer a cirurgia intima, mais uma vez eu me neguei e expliquei que queria uma especialista porque gostaria de reduzir principalmente o clitóris. No dia da cirurgia ele me disse que se eu não fizesse a cirurgia minha bexiga iria sair para fora, e me disse que iria fazer também a intima. Eu expliquei que a bexiga não me incomodava e sim o pé então ele me disse que iria fazer tudo. Eu só vi o médico na sala cirúrgica, portanto não houve nenhuma possibilidade de conversar antes, nem de ponderar, teve que ser uma decisão rápida. Como se tratava de um médico renomado, e como eu já havia falado que queria fazer o clitóris com especialista, eu só pensei que poderia economizar com a redução dos pequenos lábios e se ficasse bom talvez nem precisasse reduzir o clitóris. E se ele estava se oferecendo ele provavelmente já havia feito. Nos primeiro dias pos cirurgia eu senti tanta dor que não me preocupei muito em olhar como tinha ficado, só olhei 4 dias depois quando tirei uma foto e meu mundo caiu. No inicio não deu pra ver a extensão do estrago. Por conta das dores que eu estava sentindo eu não conseguia me concentrar em nada. Foram 15 dias de dores intensas e mais 15 dia de dores moderadas, não por causa da cirurgia intima, mas a do períneo. Depois dos primeiros 15 dias foi que começou a cair a ficha do que ele tinha me feito. O médico cortou totalmente os pequenos lábios, deixando alguns pedacinhos em cima. No clitóris não da nem pra saber o que ele fez, parece que ele abriu no meio tirou um pedaço e depois costurou de qualquer jeito. O clitóris agora está aberto e exposto com um topo pequeno endurecido. Já imagino quando voltar a trabalhar como vou usar calça com o clitóris exposto. Resumindo tudo, ele me mutilou, e no processo destruiu minha chance de ter uma vida normal. Se antes a minha principal preocupação era não perder a sensibilidade, agora é saber se algum filho de Deus consegue diminuir o estrago, pelo menos melhorar a aparência. Já conversei com o médico que eu estava pensando em fazer a cirurgia, mas vou ter que esperar 3 meses para fazer uma avaliação. Eu sei que muita gente vai achar que é um exagero, mas o baque foi tão grande, que perdi a vontade de viver. Foi como se minha chance de mudar de vida tivesse escorrido pelo ralo. Choro o tempo todo e já me várias vezes cortando o clitóris fora. Estou desesperada e sei que as chances de concertar são pequenas. O pior é que ganho salário mínimo e comprometi 30% no empréstimo e gastei uma parte desse, porque ainda não consegui da entrada no INSS e só tem data em janeiro, ou seja 5 meses sem receber salário. Estou muito angustiada e nem sei mais o que fazer.

Tem certeza de que deseja excluir essa foto?

izabellelucas

· Morada Nova (Ceará)

· 14 nov 2020

Eu sinto exatamnete essa mesma dor! Meu coração esta partido, eu fiz minha cirurgia a primeira cez pelo sus e a medica era uma residente e não tirou o suficiente do excesso de penenos labios, ai uma amiga minha conseguio uma nova cirurgia pra mim com um cirurgião ginecologista respeitado onde eu moro, eu fiquei super animada, mais o médico simplesmente me deixou mutilada, cortou demais e muito perto do clitóris, fez umas sultura horrosa, ele destruiu a estética da entrada da minha vagina, eu estou acabada, quando genho coragem de olhar no espelho nao aguento de tanta tristeza e começo a chorar, muito cuidado meninas, tem medico que não tem noção do estrago que ta fazendo!

Tem certeza de que deseja excluir essa foto?

Atualize sua história
Atualize sua história
Gostou desta história?
Conte a sua história com a cirurgia estética
Começar agora
Cirurgia Awards Cirurgia Awards Os especialistas mais recomendados em Cirurgia plástica de 2019 no Brasil Descubra-os! Ver todas

Mais histórias reais

As informações que aparecem em Cirurgia.net em caso algum podem substituir a relação entre o paciente e seu médico. Cirurgia.net não faz qualquer apologia a um tratamento médico específico, um produto comercial ou um determinado serviço.