Dr. Pablo Rassi Florencio

Sem opiniões
Morrinhos
O doutor Pablo Rassi Florencio CRM 14677/RQE 8851 é um médico que faz parte do conselho de cirurgias plásticas do Brasil.EspecialidadesFaceBlefaroplastia(pálpebras)Lifting de Face(Ritidoplastia)Minlifting de FaceMentoplastia(Queixo)OtoplastiaRinoplastiaContorno CorporalAbdominoplastiaGluteoplastia(Implantes Glúteos)Panturrilhas(Implantes)Lifting Crural(Coxas)Lifting Braquial(Braços)LipoaspiraçãoLipoaspiração VibratóriaLipoesculturaMinimamente InvasivosLASER/Luz PulsadaPeeling... (operação nas orelhas Morrinhos (Goiás))

Últimas fotos

Histórias destacadas

Bom dia a todos, faço parte da comunidade a cerca de 1 ano, e sempre vejo vários relatos interessantes aqui. Sempre achei que estava sozinho que era o único que sofria com esse problema, afinal nunca conheci ninguém com problemas desse tipo e todos que me conhecem não sabem do meu sofrimento ou quando sabem acham besteira. Desde que me entendo por gente, fui excluído, zoado e hostilizado pelos outros por causa das minhas orelhas, quando criança usava cabelo curto e minhas orelhas ficavam expostas, o que fazia com que as outras crianças me xingassem e rissem de mim o tempo todo. Como eu era criança ficava com muita vergonha, mas tentava não ligar. Infelizmente as marcas dessas brincadeiras me acompanharam para a adolescência onde minha auto estima era praticamente zero, como eu tenho cabelo liso deixei ele crescer e passei a esconder as orelhas com ele. Como era muito magro, usar o cabelo comprido, partido no meio e jogado na cara me deixava com uma péssima aparência. Nunca tive uma namorada dos 14 aos 20 anos, praticamente nenhuma garota tinha interesse por mim, eu não tinha coragem de falar com elas, e as poucas que me notavam eu nunca conseguia interagir com elas pois não tinha nenhuma auto estima. Como eu era magro, tímido e sentia vergonha das outras pessoas, os outros alunos infernizavam a minha vida com apelidos o tempo inteiro e eu não tinha como revidar ou me defender, gritavam no corredores, dentro da sala, na quadra, era constrangedor. Me xingavam de Duende, Dumbo, corriam atrás de mim gritando que precisavam fazer uma ligação, se podiam usar meu orelhão, etc. Aos 15 anos fiz uma otoplastia pelo SUS, o resultado melhorou muito a questão do abano, foi um sonho, passei 1 mês inteiro de faixa, sem sair de casa pra nada e sentindo dores absurdas do pós operatório, não fiquei triste porque na minha cabeça eu finalmente seria normal, finalmente poderia curtir a vida e com meus amigos. Quando tirei a faixa olhei e o resultado me emocionou muito, pra mim que nunca tinha cortado o cabelo curto, e agora estava com ele arrepiado bem curto, e sempre olhei no espelho e vi orelhas estranhas, agora via orelhas que considerei normais. No mês seguinte fui pra escola ( primeiro ano no ensino médio ) e arrumei um emprego como garçom perto de casa, pra mim estava tudo normal, me sentia bem comigo mesmo e comecei a ter vaidade e cuidar da minha aparência. Comecei a conversar com as pessoas, fiz vários amigos e pela primeira vez meninas se interessavam por mim. Cerca de 2 semanas depois começaram os apelidos e xingamentos, tanto na rua quanto na escola, fiquei MUITO deprimido com a situação, pensei que tudo que tinha passado tinha sido em vão e me senti péssimo. Deixei o cabelo crescer de novo e voltei a esconder a orelha e desleixar da minha aparência. A vontade de cortar o cabelo curto era tanta que uma vez cortei bem curto e passei a usar uma faixa de tenista. Ficou bizarro, passaram a me chamar de Cazuza e Rambo, desisti da ideia rapidamente. Depois de formar no ensino médio comecei a pesquisar cirurgias, médicos e clinicas que pudessem '' diminuir o tamanho da orelha '', cogitei até mesmo arrancá-las e colocar uma prótese no lugar, as pessoas com quem eu falava sobre isso me diziam que era ridículo e eu estava exagerando, mas ninguém entendia que eu só queria ser deixado em paz e poder viver minha vida em paz. Aos 20 anos conheci minha namorada, ela gostou de mim e me aceitou, nunca achou minha orelha estranha, e mesmo depois de saber de tudo nunca se importou com isso. Estamos juntos a 8 anos, e eu gostaria muito de poder ser uma pessoa melhor e menos encanada com isso, quando vamos ao clube ou praia eu só entro na água de boné porque se o cabelo molha ele deixa as orelhas a mostra, ainda uso cabelo comprido, enfim vivo uma aparência obrigada, que não me agrada e não me representa. Já fui em vários médicos mas nenhum me apresentou uma solução satisfatória, todos querem colar minha orelha na cabeça, ou cortar um pedaço do lóbulo, enfim nenhum parece saber o que realmente pode ser feito e não me passam a menor segurança. Então gostaria de saber se alguém aqui saberia me ajudar com isso, meu problema não é abano, meu problema é que minhas orelhas são grandes demais para O MEU rosto, meu rosto é mais fino e minha cabeça um pouco menor, talvez minha orelha ficasse menos chamativa NA SUA cabeça, mas na minha elas ficam desarmônicas. ps. Desculpem o desabafo longo. É que detesto quando dizem que é bobeira minha.

Tenho 18 anos em setembro de 2014 fiz uma cirurgia plástica de correção das orelhas de abano, que é chamada de otoplastia. Agora divido com vocês a minha grande experiência. Foi um sonho realizado, porque eu sofria muito e não gostava nada das minhas orelhas! Foi bem tranquila a cirurgia, não senti nada durante o procedimento, mas é claro que o pós-operatório foi chatinho. Senti bastante dor mesmo tomando os remédios certinhos, pois a orelha é um dos lugares mais frágeis por ser nervo! Fiz numa clínica com um ótimo doutor e super recomendo para quem precisa fazer. Ele é um ótimo profissional e sua clínica fica em Porto Alegre. Estou super satisfeita com os resultados e com o atendimento que recebi. Espero ter esclarecido as dúvidas de vocês com o meu relato.