Principais motivos para fazer uma mamoplastia

Principais motivos para fazer uma mamoplastia
Formada em Publicidade e Propaganda, desde que me formei, sempre fui apaixonada pelas redes sociais, sou redatora há mais de 10 anos, com experiência no setor da medicina estética.
Criação: 17 fev 2014 · Atualização: 17 fev 2014

O que leva uma mulher a submeter-se a uma cirurgia de mama? É evidente que as necessidades de cada paciente são individuais, porém há grupos determinados de motivações, que vão desde fins puramente estéticos a necessidades de reconstrução pós-tumor.

Independentemente do fator desencadeante, a paciente deve buscar um cirurgião plástico de confiança, pois se trata de um dos pilares para uma sólida relação entre médico-paciente e, por que não, para o bom andamento da intervenção.

Por que fazer uma mamoplastia?

Há sete grupos principais de motivos para a realização de uma cirurgia de mama. São eles:

1) Eliminar o excesso de peito: em muitos casos não é somente o complexo o que leva uma mulher a desejar a redução da mama. O peso de peitos demasiado grandes provoca desconforto físico e, em casos extremos, dores crônicas nas costas, dor nos ombros e pescoço, irritação na pele sob as mamas, entre outros.

2) Aumentar o tamanho da mama: muitas mulheres têm verdadeiro complexo por terem peitos pequenos ou desproporcionais em relação ao corpo. Em boa parte dos casos, o crescimento das mamas dessas pacientes foi interrompido ainda no início da adolescência. Esse quadro pode afetar psicologicamente a muitas mulheres, que chegam a se sentir menos atraentes e, inclusive, menos feminina.

3) Reconstrução após câncer de mama: a perda total ou parcial da mama depois de uma cirurgia para combater um câncer pode afetar o psicológico da paciente, que já está abalada pelo processo de enfrentamento de uma doença crônica. Cada vez é mais habitual a associação da plástica de reconstrução com a cirurgia de retirada do tumor, porém em muitas pacientes a decisão pela reconstrução só vem depois.

4) Melhorar a aparência após gravidez: é absolutamente normal que, depois de uma gravidez e período de amamentação, a mama perca sua forma e firmeza. Nesses casos, a paciente recorrem à cirurgia estética para recuperar o aspecto anterior do peito.

5) Mamas tuberosas: trata-se de um tipo de alteração que acontece principalmente na adolescência, no período de desenvolvimento das mamas. Pode afetar uma mama ou ambas. Quando há essa anomalia, o crescimento horizontal e vertical da mama é impedido pela presença de um tecido fibroso, que impede a expansão natural do membro. A única região que apresenta crescimento é a da aréola e a consequência é um formato tubular e com mal posicionamento.

6) Mamas assimétricas:o fato de ter uma mama maior que a outra também é responsável por complexos nas pacientes. Trata-se de um quadro que normalmente começa a ser percebido na adolescência, acentuando-se com o desenvolvimento completo da mama. Pode ser mais ou menos visível a nível estético.

7) Melhorar a aparência: são os casos essencialmente estéticos, em que as pacientes estão interessadas em atingir um volume e forma específicos.

Seja qual for a motivação, é fundamental uma avaliação personalizada com o cirurgião plástico, que vai determinar as técnicas mais indicadas e definir objetivos e resultados.

Foto: por Verano y mil tormentas (Flickr)

O conteúdo publicado no Cirurgia.net (site e App) em nenhum caso pode, nem pretende substituir as informações fornecidas individualmente por um especialista em cirurgia e medicina estética ou áreas afins. Este conteúdo é meramente indicativo e não é um conselho médico nem um serviço médico de referência. Fazemos um esforço e esforço constante para manter um alto padrão e precisão nas informações fornecidas, no entanto, a precisão e a adequação das informações contidas ou vinculadas não são garantidas.