Conheça a cirurgia para tratar do estrabismo

Conheça a cirurgia para tratar do estrabismo
Marcelle Maia
Marcelle Maia
Jornalista formada em Comunicação Social na UFMG, apaixonada pelo o tema de cirurgia plástica e escritora da área desde de 2003
Criação: 18 jan 2018 · Atualização: 18 jan 2018

Os olhos estão entre os órgãos dos quais mais dependem os seres humanos. Se trata de um sentido de vital importância, já que, através da visão aprendemos a nos familiarizar com o mundo, a reconhecer as demais pessoas, a saber o que nos impressiona e o que não, entre uma infinidade de outras situações.

De maneira definitiva, a importância dos olhos é tanta que, quando uma pessoa carece de visão, o organismo normalmente desenvolve os demais sentidos com mais precisão, justamente para compensar o problema.

Os problemas de visão alteram a vida das pessoas de tal maneira, que muitos acabam necessitando usar lentes de contato ou óculos de grau para conseguir ter um dia a dia normal. No entanto, na grande maioria dos casos, fazer o uso desses complementos não significa comodidade.

Isso porque, tanto as lentes, como os óculos, geralmente causam desconfortos e sujam com facilidade, o que dificulta a visão. No caso das lentes, aliás, são comuns os casos de irritação. Além disso, em ambos as situações há riscos de acidentes, os quais podem danificar os olhos.

Muitos dos problemas de visão costumam ser resolvidos com a simples utilização de lentes ou de óculos. Porém, há casos nos quais a solução não é assim tão simples. O estrabismo é um exemplo que, além da necessidade do uso de óculos, também faz com que seja necessário o uso de outras técnicas para resolvê-lo.

Normalmente, o estrabismo é solucionado definitivamente pode meio de um procedimento cirúrgico, o qual explicaremos a seguir.

O que é o estrabismo?

Conhecido popularmente como vesgueira, o estrabismo é um problema ocular que afeta o alinhamento dos olhos, o que faz com que o ponto focado não coincida na mesma direção. Quando uma pessoa sofre com o estrabismo, seus olhos não miram o mesmo objeto. Se pode dizer que cada um deles possui a sua própria visão.

As causas do estrabismo derivam da falta de coordenação dos músculos dos olhos. Cada globo ocular está rodeado por 6 músculos que trabalham de maneira conjunta e coordenada, o que faz com que os olhos foquem sempre na mesma direção. No caso de pessoas que sofrem de estrabismo, os músculos não trabalham juntos, ou seja, de forma coordenada. Como consequência disso, um olho mira ao objeto, enquanto o outro sofre um pequeno giro em outra direção para conseguir focar o mesmo ponto.

Porém, o estrabismo produz consequências ainda mais graves. O fato de cada olho focar em um objeto diferente faz com que o cérebro passe a perceber 2 imagens e enviar sinais distintos. O resultado final disso é uma confusão sofrida pelo cérebro. Caso o problema não seja tratado, o sistema nervoso se vê obrigado a resolver a questão da seguinte maneira: o cérebro ignora a imagem mais fraca e aprende, assim, a perceber unicamente a imagem do olho mais forte.

Com o tempo, o olho mais fraco acaba por deixar de enxergar bem. Isso faz com que sejam comuns os problemas de visão duplicada, os movimentos oculares descoordenados, os olhos cada vez mais desalinhados, a perda de visão, e a perda de percepção de profundidade.

O estrabismo é um problema mais comum em crianças, mas também pode aparecer em adultos. As causas mais frequentes normalmente são:

  • Diabetes;
  • Lesões nos olhos;
  • Intoxicação por mariscos;
  • Acidente cerebrovascular;
  • Lesão cerebral traumática;
  • Botulismo;
  • Síndrome de Guillain-Barré;
  • Doenças graves;

Além disso, ainda existem outros fatores que contribuem para a aparição do estrabismo, como: antecedentes familiares, a hipermetropia, e outras enfermidades que possam causar a perda de visão.

A primeira opção para tratar o estrabismo é uso de óculos. Entretanto, quando o problema persiste e não apresenta melhorias, o caminho é a utilização de outras é técnicas, como exercícios musculares, lentes corretivas com a introdução de Dioptria ou prisma de Fresnell, ou ainda a aplicação de toxina botulínica (conhecida como botox), a qual atua para paralisar certos músculos. Porém, a maneira mais efetiva para fazer com que ambos os olhos mirem na mesma direção é, sem dúvida, a cirurgia.

Em que consiste a cirurgia de estrabismo?

Se trata de uma cirurgia que não é realizada dentro do globo ocular. O profissional trabalha por fora do olho, já que o objetivo da intervenção é reforçar (ou enfraquecer) os músculos responsáveis pelo movimento. Inclusive se pode modificar a função da musculatura de ambos os olhos.

A anestesia utilizada é a tópica, no entanto, pode ser optada pela geral (principalmente no caso de menores), já que nem todos são propensos a colaborar com o procedimento. De todas as formas, se trata de uma operação ambulatorial, a qual permite que o paciente seja liberado após passadas algumas horas da cirurgia.

A cirurgia de estrabismo é eficaz?

A cirurgia de estrabismo é eficaz para melhorar o problema estético, no entanto, não resolve o problema de visão. Para que isso seja possível, a pessoa necessita recorrer aos tratamentos citados anteriormente.

Depois de realizada a intervenção, a pessoa deve ficar com os 2 olhos tapados de maneira alternada. Isso para evitar que surjam problemas de visão dupla ou do chamado "olho preguiçoso". Apesar dos bons resultados oferecidos pela cirurgia de estrabismo, é preciso salientar que existem certos riscos, os quais destacamos a seguir:

  • A intervenção pode causar enjoos e perda de rotação muscular. Também podem ocorrer hemorragias ou perfurações durante o processo de sutura. A incidência gira entre 1% a 10% dos casos;Infecções de olho, o que ocorre em 1 a cada 1.000 casos;
  • Alteração grave da circulação do olho, que pode derivar em perda de visão. Isso acontece em 1 a cada 1.000 procedimentos;
  • Além disso, o resultado pode não ser o esperado. Isso pode ocorrer durante o pós-operatório ou, inclusive, depois de passado algum tempo da cirurgia. A incidência gira entre 10% a 20% dos casos;
  • Alguns inconvenientes podem ser produzidos, como problemas de visão dupla, cistos, granulomas, desprendimento de retina, cicatriz retrátil, limitações dos movimentos oculares, entre outros;

Se lembre sempre de buscar por profissionais especializados na hora de submeter a um procedimento cirúrgico. Caso você não conheça nenhum oftalmologista de confiança, entre em contato conosco, que lhe ajudaremos a encontrar o que se encontra mais cerca de você!

Está interessado neste tratamento?
As informações são gratuitas!

O conteúdo publicado no Cirurgia.net (site e App) em nenhum caso pode, nem pretende substituir as informações fornecidas individualmente por um especialista em cirurgia e medicina estética ou áreas afins. Este conteúdo é meramente indicativo e não é um conselho médico nem um serviço médico de referência. Fazemos um esforço e esforço constante para manter um alto padrão e precisão nas informações fornecidas, no entanto, a precisão e a adequação das informações contidas ou vinculadas não são garantidas.