Tayane
Tayane
Escritora, copywriter e community manager. Administradora da maior comunidade de cirurgia plástica do Brasil.
Atualização: 10 Abr 2019

Destacado

Navegação

  • Informações sobre a Alopecia
  • O que é alopecia?
  • Quem pode sofrer de alopecia?
  • Quais são as causas da alopecia?
  • O estilo de vida afeta?
  • Os tipos de alopecia
  • Qual especialista devo procurar?
  • Como será a primeira consulta?
  • Tratamentos para alopecia
  • Perguntas frequentes
  • Bibliografía
alopecia e perda de cabelo

Informações sobre a Alopecia

A alopecia é uma doença autoimune generalizada, tanto que, de acordo com dados coletados pela Fundação Nacional de Alopecia Areata dos Estados Unidos, cerca de 150 milhões de pessoas sofrem desse distúrbio no mundo. 

Ela pode afetar homens e mulheres de todas as idades e causar perda de cabelo e, em alguns casos, até mesmo perda de barba ou pêlos corporais, causando constrangimento e sofrimento psicológico aos pacientes.
As causas que geram essa patologia são múltiplas, assim como as formas em que ela pode se manifestar.

perda de pêlo

O que é alopecia?

A palavra alopecia é um termo genérico que indica a perda ou degradação do peles no corpo.  É possível que se leve progressivamente ao seu desgaste ou desaparecimento total. Ela pode afetar:

  • O couro cabeludo inteiro
  • Seções do couro cabeludo
  • Barba
  • Corpo


A alopecia acontece por diferentes motivos, e ela pode ser uma indicadora de diferentes patologias também.

perda de cabelo

Quem pode sofrer de alopecia?

Homens e mulheres de todas as idades, incluindo crianças, podem sofrer de alopecia. Em geral nos homens, a perda de cabelo está concentrada na parte da frente e dos lados, enquanto nas mulheres há um afinamento generalizado na parte superior da cabeça.

causas da perda de cabelo

Quais são as causas da alopecia?

Alopecia, ou a perda de cabelo, pode variar de muitas causas e fatores, nem todos conhecidos ou facilmente identificáveis.
Por esse motivo, é essencial entrar em contato com um médico com experiência em dermatologia ou em cirurgia plástica. O especialista será capaz de avaliar cuidadosamente todos os sintomas do paciente, identificar corretamente as causas que causaram a queda de cabelo e, acima de tudo, indicar quais tratamentos seguir para eliminar ou atenuar o problema. Entre as causas mais comuns podemos identificar:

  • fatores hormonais
  • predisposição genética
  • nascimento
  • estresse
  • escassez de alimentos
  • doenças autoimunes
  • distúrbios metabólicos
  • distúrbios endócrinos
  • hipotiroidismo

    Além disso, identifica-se entre os fatores que podem favorecer o surgimento da alopecia também agentes ambientais externos a nós, como poluição do ar, mudanças atmosféricas ou exposição excessiva aos raios UV.
nutrição e cabelos

O estilo de vida afeta?

O estilo de vida e os hábitos diários podem sempre ter um impacto negativo na nossa saúde no agravamento de alguns sintomas e/ou patologias. E isso também afeta pessoas com alopecia.

Na verdade, a causa da alopecia também pode ser identificada em uma combinação prejudicial de estresse emocional, maus hábitos e desnutrição que pode enfraquecer o cabelo, tornando-os mais finos e opacos, e consequentemente aceleram a perda.

Existem alguns mitos que tentam explicar as causas que promovem a perda de cabelo. Na verdade, os profissionais do ramo enfatizam que, ao contrário do que muitas pessoas podem pensar, o uso de chapéus e capacetes ou lavagens frequentes não exercem qualquer influência sobre a queda de cabelo.

Os tipos de alopecia

Como já vimos, a palavra alopecia é um termo genérico que simplesmente indica perda de cabelo, significando literalmente "raposa" em grego (alópex) devido à perda característica de pelo desigual que a raposa sofre durante a primavera. Existem, portanto, diferentes tipos de alopecia, e cada uma pode ter uma explicação diferente para que ela aconteça.


Alopecia androgenética - Esta forma de alopecia, caracterizada por uma perda difusa e progressiva do cabelo, está principalmente ligada à predisposição genética e a fatores hormonais. O tratamento pode ser feito com com métodos injetáveis ​​(bioestimulação, carboxiterapia, PRP) ou cirúrgicos (transplante capilar).

Perda de cabelo localizada ou irregular -
Acontece não apenas os fatores genéticos, mas também fatores externos e ambientais determinam um ataque do mesmo sistema imunológico aos folículos do cabelo, causando sua redução e retardando sua produção até que eles parem o crescimento do cabelo. As causas não são certas e os cientistas ainda não conseguiram identificar os fatores que levam o sistema imunológico a atacar os folículos. As terapias disponíveis são as mesmas que as comentadas anteriormente.


Alopecia psicogênica -  Há suspeita de que a queda de cabelo e a alopecia também podem ser causadas por estresse e ansiedade, embora ainda não haja evidências científicas claras. A ansiedade provoca uma resposta do sistema imunológico, desencadeando uma série de fenômenos bioquímicos que podem levar a um enfraquecimento dos folículos e cabelos. Em alguns casos, o especialista pode exigir que o paciente também realize testes de personalidade.

Alopecia por cicatriz -
Neste caso, a perda permanente de cabelo deve-se à destruição dos folículos e sua substituição por tecido cicatricial. A formação desse tecido cicatricial pode ser causada por várias causas: queimaduras, feridas, doenças hereditárias, dermatites, infecções, neoplasias ou outras doenças de pele. O diagnóstico deve ser feito pelo especialista com diversos exames, até mesmo psicológicos. 

Alopecia universal -
Esta é uma doença muito rara que afeta uma a cada 4 mil pessoas, como destacam os pesquisadores do GARD (Centro de Informações sobre Doenças Genéticas e Raras) e que envolve a ausência total de pêlos e cabelos no couro cabeludo e no resto do corpo. O desgaste geralmente começa a partir de algumas áreas do corpo ou da cabeça até que leve à redução total dos folículos. Às vezes, o início e a propagação da alopecia universal também podem ocorrer de forma muito rápida e abrupta. A causa é desconhecida e é considerada uma forma avançada da alopecia irregular, assim também neste caso falamos de patologia autoimune. Não há cura real, mas às vezes a regeneração pode ser reativada espontaneamente mesmo depois de muito tempo.

especialista de cabelos

Qual especialista devo procurar?

O ramo da medicina que lida com a pele e o couro cabeludo é Dermatologia, então o dermatologista é o especialista em cuidados com os cabelos e, consequentemente, também na alopecia. Os cirurgiões plásticos também podem cuidar do tema, mas o diagnóstico geralmente é feito por dermatologistas. Para cada tratamento médico, é sempre essencial entrar em contato com cirurgiões especializados e credenciados:

Verifique a especialização do médico que você busca, e também se está inscrito na Sociedade de Cirurgia Plástica e também na Sociedade de Dermatologistas.

Conheça mais do seu trabalho em consulta e por experiências de outras pacientes. 

consulta para alopecia

Como será a primeira consulta?

Durante a primeira visita, o médico terá a oportunidade de avaliar o grau de alopecia, a extensão da perda de cabelo e o estado da área doadora no caso de ser necessário um transplante capilar. O dermatologista ou o cirurgião plástico, após coletar todas as informações referentes ao estado de saúde e ao histórico médico do paciente, fará um exame físico e prescreverá a realização de alguns exames específicos. 

É importante que durante o período da consulta com o seu profissional, você tire todas as suas dúvidas e também compartilhe as suas expectativas com o procedimento, assim, será possível que o médico deixe claro todas as possibilidades e resultados possíveis. 

Tratamentos para alopecia

Tratamentos para alopecia

Pacientes com alopecia podem usar terapia médica e cirúrgica. No primeiro caso  existem vários ingredientes ativos que podem ajudar a neutralizar os efeitos dessa doença. Mas só um médico qualificado pode passar o tratamento correto, não acredite em soluções milagrosas, elas podem piorar a situação.
No que se refere à terapia cirúrgica, continua a especialista, existe a possibilidade de criação de um transplante capilar, que consiste em transferir os bulbos capilares de uma área doadora para a área que apresenta a perda. O transplante pode ser realizado principalmente com duas técnicas:

1)Autotransplante com técnica de Strip ou FUT (Transplante de Unidade Folicular):
consiste em tirar uma tira de couro cabeludo e os bulbos presentes aqui que são então isolados e transplantados na área receptora.

2)Autotransplante com técnica de FUE (Extração de Unidade Folicular):
esta técnica é mais recente do que a primeira e permite levar bulbos individuais graças a uma agulha muito pequena (0,07 mm), sem deixar cicatrizes no couro cabeludo.

O transplante capilar não possui contraindicações específicas, pois praticamente todos os tipos de pacientes podem ser submetidos a esse tipo de cirurgia, desde que o paciente não sofra de doenças autoimunes que possam reduzir a eficácia do resultado da mesma intervenção. O resultado final será apreciável após cerca de 6-8 meses da operação, quando será possível avaliar o grau de crescimento de todos os bulbos implantados.

Para aqueles que não querem se submeter à cirurgia de transplante, existem outros tratamentos médicos, que permite a estimulação da regeneração capilar e, acima de tudo, reforça aqueles ainda presentes. As infiltrações de plasma rico envolvem um ciclo de algumas sessões cujo número será estabelecido pelo especialista com base nas características do paciente. Outra opção é a da bioestimulação, um procedimento de injeção que envolve a injeção de vitaminas e minerais para estimular a reativação dos bulbos capilares, é necessário pelo menos 6 sessões de bioestimulação a uma distância de uma semana da outra, a fim de obter um bom resultado.

Perguntas frequentes

  • Qual profissional buscar? É possível fazer esse tratamento com um cirurgião plástico ou um dermatologista.
  • Qual o valor do procedimento? Por lei brasileira não é possível passar os valores de tratamentos estéticos antes de realizar uma consulta, ou seja, o profissional explica os custos em consulta. 
  • Com quantos anos é possível iniciar o tratamento? Sabe-se que a queda de cabelos pode ocorrer em todas as idades, tanto para homens e mulheres, mas só os médicos podem dizer quando é melhor iniciar o procedimento. Contudo, a faixa de idade está na médida dos 25-30 anos

"A informação que aparece nesta web é apenas indicativa e nunca pode substituir a informação que o seu médico, cirurgião ou especialista em estética e plástica deve fornecer. Se você estiver avaliando a possibilidade de realizar qualquer tratamento ou intervenção médica (também em caso de dúvidas ou perguntas), vá diretamente ao seu médico especialista para lhe fornecer as informações correspondentes. Cirurgia.net não garante ou recomenda qualquer conteúdo, procedimento, produto, opinião, profissional de saúde ou qualquer outro material e informação neste guia ou em qualquer lugar deste site."